Sistema de detecção e alarme de incêndio – SDAI

Atualizado: 22 de Jan de 2019


Com a chegada da estação do verão e com ela o aumento de temperatura geral por toda a região, se torna comum as ocorrências quase que diárias relacionadas a diversos princípios de incêndio por todo o país, de um modo geral isso aumenta e muito o trabalho das entidades de suporte como o corpo de bombeiros a essas ocorrências.


Além do aumento de temperatura o risco de incêndio também aumenta consideravelmente para todos e especialmente para as áreas com risco de explosão, as áreas mais afastadas dos centros populacionais com pouca fiscalização ou baixa circulação de pessoas também fazem parte, para então garantir a segurança e proteção das vidas e patrimônios o ideal é atuar diretamente no principio de incêndio em seu estagio inicial, não permitindo que se desenvolva tomando grandes proporções e dificultando a contenção de sua propagação.



E para estas necessidades possuímos o sistema de detecção e alarme de incêndio ou mais conhecido pelos profissionais da área técnica através da sigla (SDAI), aonde a proposta é detectar o fogo em seu estágio inicial, a fim de possibilitar o abandono rápido e seguro dos ocupantes do edifício e assim iniciar os procedimentos e ações de combate ao fogo, evitando assim a perda de vidas, danos aos patrimônios e garantir segurança do meio ambiente minimizando as contaminações.


O sistema da detecção e alarme de incêndio pode ser divido em três partes básicas dentro do conceito operacional do sistema:


O primeiro elemento conhecido como detecção é a parte do sistema que “percebe” e identifica o principio de incêndio.


A detecção do principio de incêndio pelo sensor do sistema de alarme ocorre por intermédio dos fenômenos físicos primários e secundários de uma combustão. Podemos citar como exemplos de fenômenos físicos primários a radiação visível e invisível do calor da chama aberta e a variação de temperatura do ambiente para esses fenômenos aonde pode ser aplicado o detector de temperatura e como exemplo de fenômeno secundário a produção de fumaça e fuligem aonde a detecção passa a ser através dos detectores ópticos de fumaça.


O segundo elemento que envolve o processamento do sinal gerado através do detector de incêndio automático ou acionador manual pontual que transmite o sinal identificado no local do fogo até a central de alarme responsável pelo processamento.


O terceiro e ultimo elemento, aonde o sistema de processamento da central de alarme gera um comando de aviso por meio de sinalização visual e sonora, esta sinalização visual e sonora tem função de extrema importância para as medidas iniciais de segurança que tem como objetivo de alertar os ocupantes e também acionar dispositivos auxiliares para a operação dos outros sistemas de suporte, os sistemas de combate a incêndio ou como conhecidos pela sigla (SCI) são acionados nesta segunda fase entrando em pleno funcionamento para conter a propagação das chamas.


Temos como alguns exemplos os seguintes sistemas: sistema de controle de fumaça, pressurização das escadas, abertura e fechamento de portas ou dampers, acionamento de elevadores ao piso de descarga, acionar chamadas telefônicas etc.


Gostou do conteúdo? Deixe abaixo um comentário com suas dicas e compartilhe outros assuntos que gostaria de conhecer um pouco mais. Se tiver dúvidas sobre algum de nossos equipamentos ou interesse em treinamentos, entre em contato conosco!


368 visualizações

PRODUTOS

VENDAS

INFO

Horários de atendimento:
Seg. à Qui. das 7:30 às 12:00
e das 13:00 as 17:30 Hs.

Sexta das 7:30 às 12:00
e das 13:00 as 16:30 Hs.

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

Copyright © 2018 Ilumac. Todos os direitos reservados